Foi durante a Grande Depressão, também conhecida como a "Crise de 1929," que Bonnie Parker e Clyde Barrow realizaram sua série de crimes hediondos por cerca de dois anos (1932-1934). Com o governo passando por uma péssima fase, eles certamente usariam isso para sua vantagem. Com uma imagem mais próxima de Robin Hood do que de assassinos em massa, Bonnie e Clyde conquistaram uma nação.

Quem eram Bonnie e Clyde?

De certa forma, era fácil romantizar Bonnie e Clyde. Eles eram um jovem casal apaixonado que estavam com o mundo de portas abertas para eles, fugindo da "grande e má lei" que estava estagnada em 1932. A impressionante habilidade de dirigir de Clyde tirou a turma de muitas emboscadas, enquanto a poesia de Bonnie conquistou os corações de muitos. Clyde amava tanto os Fords que chegou a escrever uma carta para o próprio Henry Ford, dono da marca.

Embora Bonnie e Clyde tivessem matado pessoas, eles eram igualmente conhecidos por sequestrar policiais que estavam em sua cola para libertá-los, ilesos, a centenas de quilômetros de distância. Os dois pareciam estar numa aventura, divertindo-se ao mesmo tempo em que ignoravam a lei.

No entanto, a verdade por trás de Bonnie e Clyde estava longe de ser retratada como pessoas boas. Bonnie e Clyde foram responsáveis ​​por 13 assassinatos, alguns de pessoas inocentes, mortos durante um dos muitos assaltos frustrados de Clyde. Bonnie e Clyde viviam roubando carros novos com a maior frequência possível e viviam do dinheiro que roubavam de pequenas mercearias e postos de gasolina.

Embora Bonnie e Clyde às vezes roubassem bancos, eles nunca conseguiam sair com muito dinheiro. Bonnie e Clyde eram criminosos desesperados, constantemente temendo o que tinham certeza de que uma hora chegaria - a morte em uma chuva de balas.

Bonnie Parker


Bonnie Parker nasceu em 1 de outubro de 1910, em Rowena, Texas, como a segunda de três filhos de Henry e Emma Parker. A família vivia confortavelmente do dinheiro vindo de Henry Parker como pedreiro, mas quando ele morreu inesperadamente em 1914, Emma mudou-se com a família para a pequena cidade de Cement City, Texas (agora parte de Dallas).

Bonnie Parker era atraente, loira de 1,50m e 41 kg. Ela tinha boas notas na escola e adorava escrever poesia. (Dois poemas que ela escreveu enquanto estava em fuga a deixou famosa.)

Entediada com sua vida normal, Bonnie abandonou a escola aos 16 anos e se casou com Roy Thornton. O casamento não teve final feliz, Roy começou a passar muito tempo fora de casa em 1927 e Bonnie mais ou menos já imaginava o que estava acontecendo. Dois anos depois, Roy foi preso por roubo e sentenciado a cinco anos de prisão. Eles nunca se divorciaram.

Enquanto Roy estava fora, Bonnie trabalhava como garçonete, a medida que a "Grande Depressão" estava realmente começando no final de 1929.

Clyde Barrow


Clyde Barrow nasceu em 24 de março de 1909, em Telico, Texas, como o sexto de oito filhos de Henry e Cummie Barrow. Os pais de Clyde eram arrendatários, muitas vezes sem dinheiro suficiente para alimentar seus filhos. Durante os tempos difíceis, Clyde era freqüentemente enviado para morar com outros parentes.

Quando Clyde tinha 12 anos de idade, seus pais abandonaram a agricultura e mudaram-se para West Dallas, onde Henry abriu um posto de gasolina.

Naquela época, West Dallas era um bairro muito difícil. Clyde e seu irmão mais velho, Marvin Ivan "Buck" Barrow, estavam frequentemente em apuros fugindo da lei, pois frequentemente roubavam coisas como perus e carros. Clyde na época teve duas namoradas (Anne e Gladys) antes de conhecer Bonnie, mas ele nunca se casou.

Bonnie e Clyde se encontram

Em janeiro de 1930, Bonnie e Clyde se conheceram na casa de um amigo em comum. A atração foi instantânea. Algumas semanas depois de se conhecerem, Clyde foi condenado a dois anos de prisão por crimes já realizados. Bonnie ficou arrasada com a sua prisão.

Em 11 de março de 1930, Clyde escapou da prisão, usando a arma que Bonnie havia contrabandeado para ele. Uma semana depois, ele foi recapturado e deveria cumprir uma sentença de 14 anos na notória prisão "Eastham Prison Farm", perto de Weldon, no Texas.

Em 21 de abril de 1930, Clyde chegou a Eastham. A vida era insuportável e ele ficou desesperado para sair. Esperando que, se estivesse fisicamente incapacitado pudesse ser transferido para fora de Eastham, pediu a outro prisioneiro que cortasse alguns de seus dedos com um machado. Embora com os dois dedos do pé cortados, Clyde não foi transferido, mas recebeu uma liberdade condicional antecipada.

Depois que Clyde foi libertado de Eastham, em 2 de fevereiro de 1932, com muletas, ele prometeu que preferiria morrer do que voltar para aquele lugar horrível.

Primeiro crime de Bonnie

A maneira mais fácil de ficar fora de Eastham teria sido viver uma vida "reta e estreita" (ou seja, sem crime). No entanto, Clyde foi liberado da prisão durante a Grande Depressão, quando os empregos não eram fáceis de encontrar. Além disso, Clyde tinha pouca experiência em realmente ter um emprego de verdade. Não surpreendentemente, assim que o pé de Clyde curou, ele já estava mais uma vez roubando.

Em um dos primeiros assaltos de Clyde depois que ele foi libertado, Bonnie foi com ele. O plano era que a gangue Barrow (formada por Clyde e seu irmão, Buck) roubasse uma loja de ferragens. Embora ela tenha ficado apenas no carro durante o assalto, Bonnie foi capturada e levada para a prisão de Kaufman, no Texas. Mais tarde, ela foi libertada por falta de provas.

No curto período em que Bonnie estava presa, Clyde e Raymond Hamilton (integrante da gangue) fizeram outro roubo, no final de abril de 1932. Era para ser um roubo fácil e rápido em uma loja tradicional, mas algo deu errado e o dono da loja foi baleado e morto.

Bonnie agora estava livre e tinha uma decisão a tomar - ela ficaria com Clyde e viveria uma vida de crimes com ele ou fugiria e começaria de novo? Bonnie sabia que Clyde havia prometido nunca mais voltar para a prisão. Estava ciente de que ficar com Clyde significava uma vida de fugas, e quem sabe a morte para ambos muito em breve. No entanto, mesmo diante disso, Bonnie decidiu que ela não poderia deixar Clyde e permaneceria fiel a ele até o fim.

Fugas

Nos dois anos seguintes, Bonnie e Clyde dirigiram e roubaram cinco estados: Texas, Oklahoma, Missouri, Louisiana e Novo México. Eles geralmente ficavam perto da fronteira para ajudar na fuga, usando o fato de que a polícia naquela época não podia cruzar as fronteiras do estado para seguir um criminoso.

Para ajudá-los a evitar uma prisão, Clyde mudava de carro com frequência (roubando um novo) e trocava de placa com mais freqüência ainda. Clyde também estudou mapas e tinha um conhecimento incomum de todas as estradas secundárias. Isto ajudou-os numerosas vezes a escapar de um encontro íntimo com a lei.

Bonnie tinha um relacionamento muito próximo com sua mãe, a quem ela insistia em ver a cada dois meses, não importando quanto perigo estivesse em discussão. Clyde também costumava visitar freqüentemente sua mãe e sua irmã favorita, Nell. Essas visitas com a família quase os mataram em várias ocasiões (a polícia montou emboscadas).

O Apartamento com Buck e sua esposa

Bonnie e Clyde já estavam foragidos há um ano quando o irmão de Clyde, Buck, foi libertado da prisão de Huntsville em março de 1933. Embora Bonnie e Clyde estivessem sendo caçados por numerosas agências policiais (pois cometeram vários assassinatos, roubos a bancos, carros e dezenas de pequenas mercearias e postos de gasolina), eles decidiram alugar um apartamento em Joplin, Missouri, para se reunir com Buck e sua esposa, Blanche, e outro integrante da gangue chamado, W.D. Jones.

Depois de duas semanas em estado de tranquilidade, conversando, cozinhando e jogando cartas, Clyde notou que dois carros da polícia haviam parado próximo ao apartamento em 13 de abril de 1933, Um tiroteio então começou. Blanche, aterrorizada e perdendo o juízo, saiu correndo pela porta da frente enquanto gritava.

Tendo matado um policial e ferido outro mortalmente, Bonnie, Clyde, Buck e W.D. Jones chegaram à garagem, entraram no carro e fugiram. Eles pegaram Blanche na esquina enquanto ela ainda estava correndo.

Embora a polícia não tenha capturado ninguém naquele dia, eles encontraram um tesouro de informações deixadas no apartamento. Mais notavelmente, eles encontraram rolos de filmagens, que revelaram as agora famosas imagens de Bonnie e Clyde em várias poses segurando armas.

Também no apartamento, os policiais encontraram o primeiro poema de Bonnie, "The Story of Suicide Sal". As fotos, o poema e a fuga fizeram Bonnie e Clyde ainda mais famosos.

O acidente

Bonnie e Clyde continuaram dirigindo, mudando frequentemente de carro e tentando se manter à frente da lei que estava cada vez mais perto de capturá-los. De repente, em junho de 1933, próximo de Wellington, Texas, eles sofreram um acidente.

Enquanto eles estavam dirigindo pelo Texas em direção a Oklahoma, Clyde percebeu tarde demais que a ponte em que ele estava tentando passar, estava fechada para reparos. Ele desviou e o carro desceu em um barranco. Clyde e W.D. Jones saíram do carro com segurança, mas Bonnie permaneceu presa enquanto o carro pegava fogo.

Clyde e W.D. não conseguiam ajudar Bonnie; ela escapou apenas com a ajuda de dois fazendeiros locais que pararam para ajudar. Bonnie tinha sido gravemente queimada no acidente e tendo um ferimento grave em uma de suas pernas.

Os ferimentos de Bonnie eram sérios o suficiente para que sua vida estivesse em perigo. Clyde fez o melhor que pôde para cuida-la. Ela se recuperou, mas seus ferimentos aumentaram a dificuldade de estar em fuga a todo momento.

As emboscadas

Cerca de um mês depois do acidente, Bonnie e Clyde (mais Buck, Blanche e W.D. Jones) fizeram check-in em duas tavernas, uma delas chamada Red Crown Tavern, perto de Platte City, Missouri. Na noite de 19 de julho de 1933, a polícia, tendo sido avisada pelos cidadãos locais, cercou as cabanas.

Desta vez, a polícia estava melhor armada e melhor preparada do que anteriormente. Às 11 da noite, um policial bateu em uma das portas da cabine. Blanche respondeu: "Só um minuto. Deixe-me me vestir." Isso deu a Clyde tempo suficiente para pegar seu rifle automático "Browning" e começar a atirar.

Quando a polícia atirou de volta, um grande tiroteio tomou conta do local. Enquanto os outros se escondiam, Buck continuou atirando até ser atingido. Uma vez no carro, Clyde e sua gangue escaparam, com Clyde dirigindo e W.D. Jones disparando uma metralhadora. Enquanto a Gangue Barrow fugia na noite, a polícia continuou atirando, até acertar em dois dos pneus do carro, bem como em uma das janelas do carro. O vidro quebrado danificou severamente um dos olhos de Blanche.

Clyde dirigiu pela noite e todo o dia seguinte, parando apenas para trocar as bandagens dos feridos e os pneus. Quando chegaram a Dexter, Iowa, Clyde e todos os outros no carro precisavam descansar. Eles pararam na área de recreação do Dexfield Park.

Sem o conhecimento da gangue, a polícia foi alertada sobre a presença deles no acampamento por um fazendeiro local que encontrou ataduras ensangüentadas.

A polícia local reuniu mais de cem policiais, guardas nacionais, vigilantes e fazendeiros locais e cercou a Gangue Barrow. Na manhã de 24 de julho de 1933, Bonnie notou que os policiais se aproximaram e então gritou. Isso alertou Clyde e W.D. Jones para pegar suas armas e começar a atirar.

Em completa desvantagem, era inevitável que os membros da Gangue Barrow não fossem atingidos. Buck, incapaz de se mover para muito longe devido aos seus ferimentos, continuou atirando até que foi atingido várias vezes, enquanto Blanche ficou ao seu lado. Clyde conseguiu escapar e entrou em um dos dois carros junto com o restante da gangue, mas foi baleado no braço, desta forma batendo o carro em uma árvore.

Bonnie, Clyde e W.D. Jones acabaram correndo e depois nadando por um rio. Assim que pôde, Clyde roubou outro carro de uma fazenda e os levou embora.

Buck morreu e Blanche foi capturada ainda no lado de Buck. Clyde havia sido baleado quatro vezes e Bonnie havia sido atingida por numerosos estilhaços. W.D. Jones também sofreu um tipo de lesão na cabeça que o levou a deixar o grupo dizendo que nunca mais iria voltar.

Dias finais

Bonnie e Clyde levaram vários meses para se recuperarem, mas em novembro de 1933, estavam cometendo crimes novamente. No entanto, agora eles precisavam ser mais cuidadosos, pois perceberam que os cidadãos locais poderiam reconhecê-los e entregá-los, como haviam feito na Red Crown Tavern e no Dexfield Park. Para evitar problema com o povo, eles viviam em seu carro, dirigindo durante o dia e dormindo nele à noite.

Também em novembro de 1933, W.D. Jones foi capturado e começou a contar sua história para a polícia. Durante os interrogatórios com Jones, a polícia soube dos laços estreitos que Bonnie e Clyde tinham com a família. Isso deu à polícia uma liderança na busca implacável. Ao observar as famílias de Bonnie e Clyde, a polícia conseguiu estabelecer uma emboscada quando Bonnie e Clyde tentaram contatá-los.

Quando a emboscada de 22 de novembro de 1933 colocou em risco a vida da mãe de Bonnie, Emma Parker, e da mãe de Clyde, Cummie Barrow, Clyde ficou furioso. Ele queria exterminar com os homens da lei que haviam colocado suas famílias em perigo, mas sua família o convenceu de que isso não seria uma boa ideia.

O retorno a prisão:

Em vez de se vingar dos homens da lei perto de Dallas que ameaçaram a vida de sua família, Clyde se vingou da "Eastham Prison Farm" (a prisão onde ele havia ficado). Em janeiro de 1934, Bonnie e Clyde ajudaram o velho amigo, Raymond Hamilton a sair de Eastham. Durante a fuga, um guarda foi morto e vários prisioneiros entraram no carro com Bonnie e Clyde.

Um desses prisioneiros era Henry Methvin. Depois que os outros condenados acabaram seguindo seus caminhos sozinhos, incluindo Raymond Hamilton (que acabou saindo do grupo após um desentendimento com Clyde), Methvin continuou com Bonnie e Clyde.

A onda de crimes continuou, incluindo o assassinato brutal de dois policiais, mas o fim estava próximo. Methvin e sua família desempenhariam um papel fundamental na morte de Bonnie e Clyde.


O tiroteio final


A polícia usou seus conhecimentos sobre Bonnie e Clyde para planejar seu próximo passo. Percebendo o quão envolvida as famílias de Bonnie e Clyde estavam, a polícia imaginou que Bonnie, Clyde e Henry estavam a caminho de visitar Iverson Methvin, o pai de Henry Methvin, em maio de 1934.

Quando a polícia descobriu que Henry Methvin havia se separado acidentalmente de Bonnie e Clyde na noite de 19 de maio de 1934, eles perceberam que essa era a chance deles de fazer uma emboscada. Supondo de que Bonnie e Clyde procurariam por Henry na fazenda de seu pai, a polícia planejou uma emboscada ao longo da estrada em que Bonnie e Clyde deveriam passar.

Enquanto esperavam ao longo da estrada 154 entre Sailes e Gibsland, na Louisiana, os seis homens da lei que planejavam emboscar Bonnie e Clyde, confiscaram o caminhão velho de Iverson Methvin. Eles então colocaram um macaco e tiraram seus pneus, fingindo estarem com problemas. O caminhão foi colocado estrategicamente no meio da estrada com a expectativa de que, se Clyde visse o caminhão de Iverson, ele desacelerasse e ajudasse.


E isso é exatamente o que aconteceu. Aproximadamente às 9h15 de 23 de maio de 1934, Clyde estava conduzindo um Ford V-8 marrom descendo a estrada quando avistou o caminhão de Iverson. Quando ele desacelerou, os seis policiais abriram fogo.

Bonnie e Clyde tiveram pouco tempo para reagir. A polícia atirou um total de cerca de 130 balas contra o casal, matando Clyde e Bonnie rapidamente. Ambos os corpos foram levados de volta para Dallas e carregados em público. Grandes multidões se reuniram para vislumbrar o famoso casal. Embora Bonnie tivesse pedido para ser enterrado com Clyde, eles foram enterrados separadamente em dois cemitérios diferentes de acordo com os desejos de suas famílias. Bonnie e Clyde tinham 23 e 25 anos, respectivamente.

Curiosidade

Resultado de imagem para bonny e clyde car
O Ford V8 em que Bonnie e Clyde foram mortos, havia sido roubado pelo casal na cidade de Topeka, no estado do Kansas pertencendo a Jesse Warrens. Após as mortes de Bonnie e Clyde, o carro foi devolvido para a família Warrens, que o venderam por U$ 3.000,00 sem repara-lo. Depois de apresentado em várias festas e shows, o famoso carro de Bonnie e Clyde foi comprado por U$ 250.000,00 (cerca de 970 mil reais) pelo “Primm Valley Resort and Casino”, um Cassino em Nevada nos Estados Unidos, onde esta até hoje em exibição pública, protegido por vidros de alta proteção.